Passo a passo: aprenda agora como fazer um modelo de negócios

7 minutos para ler

Todo empreendedor já passou por aquele momento em que sua grande ideia, seu sonho ou aquela solução que há tempos pensava em desenvolver precisa tomar forma, ganhar corpo e se tornar um negócio. Seja para quem já tem sua empresa, seja para quem vai iniciar sua trajetória como empresário, é comum surgirem dúvidas nesse processo.

Por isso, hoje vamos falar sobre modelo de negócios, uma importante e estratégica ferramenta para ajudar você a tirar as ideias da cabeça, mapeá-las e transformá-las em realidade. Para tanto, montamos um passo a passo para você criar seu próprio modelo. Confira neste artigo!

Entenda o que é e para que serve um modelo de negócios

Antes de iniciarmos o passo a passo, é interessante que você compreenda mais sobre o modelo de negócios. Trata-se de uma ferramenta que vai fazer um mapeamento completo de suas ideias e projeções, a fim de se analisar todos os aspectos de cada etapa, tais como viabilidade, aplicabilidade, valor gerado, entre outros.

Por meio dele, você vai detalhar seu futuro negócio ou solução de forma analítica, o que tornará o caminho mais claro, auxiliará na solução de problemas que possam surgir e mais ainda: pode aperfeiçoar e expandir suas pretensões.

Aprenda a montar o seu modelo de negócios

Agora, que você já entende o conceito, que tal colocá-los em prática? Vamos então para o passo a passo.

1- Conheça os diferentes tipos de modelos de negócios

Para começar, você deve conhecer os principais tipos, para ver onde sua ideia ou solução se encaixa. A partir disso, ficará mais fácil encontrar algumas respostas que a ferramenta vai demandar.

No mercado atual, os modelos mais expressivos são:

Assinatura – cria-se um grupo de clientes que pagam mensalmente para receber produtos ou serviços. Dentre os assinantes é possível estabelecer categorias de assinaturas, para diversificar a oferta. Exemplo: Tag Livros.

Franquia – tipo de negócio em que empresários vinculam-se por meio da compra de uma marca já existente. Com isso, o negócio já vem com uma estrutura pronta, identidade e diversas diretrizes que serão base para a atuação do franqueado. Exemplo: Subway.

Marketplace – trata-se de um site ou plataforma de e-commerce, em que diversos fornecedores oferecem seus produtos. Ao selecionar um produto, o cliente tem acesso a todos os fornecedores daquele produto e pode escolher com qual deles efetuará a compra. Exemplo: Lojas Americanas.

Infoprodutos – são produtos digitais que são comercializados via internet e podem ser acessados e baixados pelo cliente. É muito utilizado para cursos online, treinamentos, palestras, livros e áudios, entre outros. Exemplo: Monetizze.

Economia Colaborativa – é um modelo em que o negócio se dá na junção das necessidades e da oferta de recursos de diferentes pessoas. Um claro exemplo disso é a Uber, que vincula quem tem o recurso e a necessidade de trabalhar (o motorista) a quem, pelo menos naquele momento, não dispõe desses meios, precisa se deslocar e pode pagar por isso. Mais um exemplo: Airbnb.

SaaS – oferta ao cliente o acesso a uma plataforma de conteúdo, suporte, softwares e variados serviços na internet, com pagamento mensal. Exemplo: Spotify.

A boa notícia é que as ferramentas do Canvas se adaptam bem a todos esses formatos.

2- Defina a oferta de valor

Após entender em que formato seu negócio se classifica, é hora de definir a oferta de valor da sua ideia. Ela diz respeito a qual valor seu negócio vai gerar para o cliente e como esse valor será entregue. Grosso modo, são os benefícios que o consumidor terá ao desfrutar de sua solução, por exemplo: praticidade, status social, comodidade, autoestima, realização, crescimento financeiro, fortalecimento da imagem, inovação, entre outros.

3 – Segmente os clientes

Outro quadrante imprescindível é a segmentação dos clientes. É nessa fase que você descreverá a fundo seu cliente ideal, definirá a quais públicos deseja levar seu negócio, com quem interagir e principalmente levantar as ferramentas para conhecer as características, dores, expectativas, anseios e comportamentos do seu consumidor. Essa etapa é fundamental para praticamente todas as estratégias dos diversos braços do seu negócio.

4- Coloque parcerias-chave

Certamente, você precisará contar com parcerias para a execução de sua ideia. Sejam eles os fornecedores, sócios, imprensa, órgãos governamentais, ou outros. A proposta é listar todos os possíveis parceiros que podem fazer parte do seu negócio. Se você ainda não tiver os parceiros definidos, pense nos setores e nas organizações que podem influenciar na sua ideia.

5 – Defina os canais

Vamos agora pensar na distribuição do seu produto. Como o seu cliente terá acesso a ele? Em quais praças ou plataformas sua solução será encontrada? Por quais meios as pessoas conhecerão e utilizarão seu produto? São esses os questionamentos que você deve responder e considerar.

6- Estruture o plano de marketing

Com tudo isso definido, é hora de pensar em como se conectar com o cliente ideal e com o mercado. É hora de planejar e criar estratégias para comunicar a proposta de valor, ocupar os espaços estratégicos do segmento mercadológico em que você vai atuar ou expandir sua atuação.

O plano de marketing é a ferramenta que dará suporte para entrar no mercado, expressar a identidade de sua empresa, trabalhar o valor da sua marca e de seus produtos, definir o posicionamento e cuidar da forma como você será visto pelos seus mais diversos públicos, como clientes, parceiros, competidores, sociedade e outros.

7 – Acrescente a estrutura de custos

E quanto tudo isso vai custar? Quanto é preciso investir? Qual a projeção de Retorno sobre o Investimento (ROI)? Esses aspectos você deve considerar na estrutura de custos, que é uma etapa vital do seu modelo de negócios. É muito importante que você dedique bastante pesquisa e análise nesse passo, pois ele pode ser um grande impulsionador ou um obstáculo sério para a realização de seus projetos.

8 – Descreva as fontes de receita

As fontes de receita se relacionam aos recursos financeiros que o produto ou o serviço vão gerar para o negócio. Essa etapa é indispensável para a mensuração do faturamento, da lucratividade e das projeções financeiras. É interessante que você faça esse passo com bastantes detalhes, considerando várias possibilidades, visto que é por aqui que as receitas entrarão.

Para facilitar a elaboração dessa etapa, oriente-se com perguntas como:

  • Como precificar minha solução?
  • Qual a margem de lucro pretendo ter com cada solução?
  • Como pretendo comercializar minha atividade-fim?
  • Quais serão as possibilidades de pagamento?
  • Haverá versões gratuitas dos serviços ou amostras grátis dos produtos?

E se você não fizer o modelo de negócios de sua empresa, o que pode acontecer? É também uma dúvida comum entre os empreendedores. De modo simplista, a falta dele limita possibilidades, deixa ocultas informações que podem ser desafios para a empresa e faz com que os investimentos sejam arriscados, uma vez que não se tem conhecimento do todo, dos prós e dos contras.

Devido à importância da ferramenta para a expansão e para a atuação estratégica da sua empresa, o Sebrae desenvolveu uma solução otimizada e bem simples de usar, para ajudar você a construir o modelo de negócios ideal. Estamos falando do Sebrae Canvas e recomendamos fortemente que você conheça mais sobre ele.

A vida do empreendedor é repleta de desafios e resoluções das mais diversas e contar com ferramentas inteligentes e inovadoras faz toda a diferença na tomada de decisão. E, por falar nisso, se você resolveu expandir sua empresa, confira as 4 decisões de gestão estratégica de um empreendedor que quer crescer.

Posts relacionados

Deixe um comentário